Corpo

publicidade
21 de setembro de 2012 • 13h38 • atualizado às 13h40

Levantar o bumbum com gordura do abdômen é tendência em LA

A técnica não é nova, mas a procura tem aumentado na cidade de Los Angeles
Foto: Getty Images

A beleza não é questão de tamanho ou peso e sim de distribuição, acredita o cirurgião plástico Ashkan Ghavami, que operou cerca de 700 pessoas atormentadas pelo mesmo dilema: a gordura do abdômen cairia muito melhor se estivesse no bumbum.

Em seu consultório no coração de Beverly Hills,em Los Angeles, no famoso código postal 90210, nome de uma série de TV (Barrados no Baile no Brasil) sobre meninos e meninas ricos e frívolos de Los Angeles, Ghavami se especializa no "levantamento de glúteos" por transferência de gordura, uma prática alternativa aos implantes, considerados muito falsos.

Sua técnica consiste em preencher as nádegas com gordura aspirada do abdômen e outras partes do corpo cheias do material, como os braços, músculos e até mesmo as panturrilhas. "Meu peso realmente é o mesmo, só que agora está melhor distribuído", contou à AFP uma paciente de Ghavami que realizou o levantamento de glúteos há três meses. "Esteticamente é bonito e a roupa me veste melhor".

Com 49 anos e sem filhos, esta contadora que não quis revelar seu nome afirma que, depois dos 40, já não havia exercício que queimasse as gorduras de algumas partes de seu corpo, nem muito menos levantar outras. "Pensei: por que não? Além do risco da cirurgia, o que pior pode acontecer? Vou ver depois se a gordura vai cair para onde o doutor a colocou", acrescentou, rindo, a mulher que antes tinha forma de pera e agora comemora suas curvas voluptuosas.

Parte da gordura pode ser injetada também nos seios para remodelar ou levantar essa parte. "Não se trata de tamanho, e sim de forma. O peso (do paciente) não vai reduzir", explicou o doutor Ghavami, professor assistente da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia, em Los Angeles (UCLA) e pioneiro nesta técnica.

Talvez os bumbuns de Jennifer Lopez e Beyoncé sejam naturais, mas o de Kim Kardashian definitivamente é suspeito, polemiza o doutor, que atribui essa nova moda à atenção que a mídia dá aos "pompis" (como diz em espanhol o próprio médico) de algumas estrelas.

Com US$ 9 mil a US$ 16mil, o paciente consegue uma ou várias lipoaspirações e um bumbum digno de sentar-se na cidade do espetáculo.

A tendência é popular entre afroamericanas, latinas, homossexuais e transsexuais de Los Angeles, cidade definida pela indústria do entretenimento, onde os cílios postiços, as injeções de botox, a depilação a laser e o peeling com luz pulsada são tratamentos rotineiros.

O conceito de usar a própria gordura como preenchimento não é novo, é feito há cerca de 20 anos, mas "que o traseiro seja o foco da modelagem do corpo é algo novo", diz o médico.

Segundo a Associação de Cirurgiões Plásticos, no ano passado foram feitas 13,8 milhões de cirurgias estéticas nos Estados Unidos, 5% a mais que no ano anterior. Entre as mais populares estão o aumento de seios, a rinoplastia, a lipoaspiração e o lifting facial. Um dos procedimentos que mostrou crescimento mais significativo foi o levantamento de glúteos: em 2011 foram feitos 38% a mais que em 2010.

O pós-operatório ainda é a parte mais dolorida: "Não quero lembrar dessa parte!", disse a paciente, que ficou sem poder sentar durante três semanas, exceto para ir ao banheiro, e teve que dormir de lado por um mês.

AFP