publicidade
23 de novembro de 2012 • 15h55 • atualizado às 16h02

Sephora inaugura 2ª loja em SP com filas e famosas

Thaila Ayala e Renata Kuerten marcam presença na abertura da loja
Foto: Bruno Santos / Terra
 

A marca francesa de cosméticos Sephora inaugurou mais uma loja em São Paulo nesta sexta-feira (23), no Morumbi Shopping. Mesmo sendo a segunda da cidade e teoricamente perto da outra, que fica no Shopping JK Iguatemi, e sem grandes novidades, alguns clientes - que inclui homens e mulheres - se arriscaram a chegar as 5h30 da manhã para ver a inauguração do shopping de beleza, que aconteceu apenas ao meio dia, com a presença de Thaila Ayala e Renata Kuerten, direito a DJ e champanhe para as clientes.

O Terra chegou na loja exatamente no horário marcado, às 12h, e, de fato, a loja já estava lotada e com uma fila que parecia não terminar. Absolutamente tudo parecia novidade. Uma das clientes, a estudante de 24 anos Carol Falasqui, combinou de almoçar com a amiga no shopping, mas o horário do encontro foi adiantado. “Chegamos aqui 7h30 da manhã. Nunca tinha ido no do Morumbi, então eu adorei”, disse empolgada, mesmo tendo na sacolinha apenas duas pinças. Este não é o caso de Thamara Brito que, apesar de não ter feitos muitas compras, investiu R$ 400 e ainda saiu de lá com uma sacola exclusiva. “Todo mundo que gasta acima de R$ 200 ganha”, disse.

No quesito compras, o cliente não vai encontrar nada de exclusivo e que não tenha na loja do JK. Segundo Andrea Bedricovetchi, diretora da Sephora no Brasil, a grande diferença entre as duas é o espaço, que conta com 406 m², sendo 100 m² maior que a do JK. "A arquitetura muda um pouco, os móveis e a exposição dos produtos está um pouco diferente. Além disso, contamos com uma área Sephora Collection, que não temos na outra loja apenas por questão do layout", disse.

Os produtos da Sephora, que vão de maquiagem até esmaltes - em parceria com a O.P.I - estão expostos em uma área destacada. Aquelas eufóricas pelas compras, mas que não querem gastar tanto, podem optar por esses produtos. É possível encontrar esmalte por R$ 19 que, em relação com o da Lancôme, por exemplo, que custa R$ 97, gera uma boa economia. 

Para ela, a experiência do público continua sendo a mesma, exatamente pela diversificação dos produtos que incluem mais de 200 nomes nacionais e internacionais e "queridinhas" das mulheres como Nars, Make Up Forever, Urban Decay, Stila, Bare Minerals, Benefit, além das grifes de luxo como Dior e Givenchy. "Trabalhamos com produtos de toda a linha das marcas. O lançamento lá de fora não demora muito a chegar aqui no Brasil, mas tudo depende de cada grife", disse.

A loja mantém suas tradicionais vitrines com aqueles produtos que estão em alta e por categorias, ótimas para aquelas que procuram por algo específico. Para isso, existe a área Skin Care, que traz produtos Lancôme e Biotherm –, que estão divididas por marca e necessidades, e uma seleção feita pela própria Sephora com os melhores produtos.

Experiência olfativa de perfumes
A grande novidade ficou voltada para a área de perfumes. A Sephora conta com uma grande gama de nomes e, para ajudar aquelas que não querem se comprar um só pela marca ou apenas porque uma celebridade usa, pode descobrir o seu perfume ideal através da Sensorium, uma experiência olfativa e interativa que permite conhecer diferentes fragrâncias através do seu espirito do dia: chique, divertida, casual ou viciante.

A loja também está vendendo com exclusividade a fragrância de Lady Gaga, o Lady Gaga Fame, feita em seu próprio laboratório - Haus Laboratories -, em parceria com a Coty. A fragância é a primeira com líquido negro, que se torna invisível em contato com o ar e com a pele. O frasco de 30ml custa R$ 130, o de 50 ml custa R$ 160 e o de 100 ml - que não estava disponível -, custa R$ 400.

Já aquelas mulheres que quiserem comprar ou apenas passear e dar uma olhadinha nas novidades também podem ir embora maquiada. "Temos ao todo 40 profissionais que, além de auxiliar as clientes a encontrarem seus produtos, dão dicas sobre maquiagens, perfumes e ainda testam os produtos nelas", explicou, se referindo aos que trabalham no Beauty Studio.

Preços continuam altos
Os preços se mantém com valores de produtos premium e não "barateiam". Para Andrea, os altos preços dos produtos se encaixam nos "gastos tributários do Brasil, assim como qualquer outro produto que chega de fora por aqui", disse.

Exemplos simples de comparação de preço podem ser destacados. O esmalte Sephora by O.P.I, citado acima e que custa R$ 19, na Sephora do exterior custa US$ 9. Já as desejadas palette de sombra Naked (nas duas versões, a primeira lançada há três anos e a segunda há seis meses), da Urban Decay, custam R$ 250, sendo que lá fora custa US$ 50, quase 150% mais barato.

A Sephora também dispõe uma área determinada "beauty to go" e que, provavelmente, conta com alguns dos produtos mais baratos da loja. Eles estrategicamente posicionados para aquelas compras de última hora. Enquanto espera sua vez na fila - que hoje, apesar de super grande, não passava dos 15 minutos de espera - é possível dar uma escapada e acrescentar na sacolinha um kit de nove elásticos de cabelo que custam R$ 11 ou uma tiara de oncinha por R$ 12.

Quem quiser uma pallete, pode optar, por exemplo, por uma de 50 cores da Sephora que custa R$ 149 ou aplicar um pouco mais de dinheiro e levar uma de 10 cores da Stilla que custa belos R$ 209. Um batom da Nars, que custaria US$ 24 lá fora, chegou ao Brasil por R$ 83. Mas, para algumas pessoas, o preço pode não influenciar muito principalmente pela praticidade de não ter que esperar uma viagem internacional para comprar todos os itens de beleza desejados.

Este é o caso da atriz Thaila Ayala. "Acho maravilhoso ter uma Sephora aqui. Geralmente a gente viaja com uma listinha da prima, da amiga, das primas. Agora a gente tem liberdade para comprar a hora que quiser", disse. "Como não precisamos nos programar e nem pegar um avião, o preço acaba sendo equivalente", complementou. Renata Kuerten segue a mesma linha de pensamento. "É muito bom. Às vezes temos uma compra de emergência e não precisamos entrar em desespero", brincou.

Terra