Depilação

publicidade
08 de agosto de 2012 • 15h17 • atualizado às 15h23

Depiladora fala sobre sucesso de depilação "à brasileira" nos EUA

Reny Ryan, depiladora brasileira autora do livro Confissões de Uma Depiladora Brasileira nos Estados Unidos, faz sucesso nos EUA com o estilo brasileiro de depilar as partes íntimas
Foto: Divulgação
 

Quando comparadas às brasileiras, as americanas aparentemente são um pouco mais recatadas com as questões ligadas ao corpo. Mas basta cruzarem a porta da Reny’s Skin Care, em Pleasant Hill, Califórnia, clínica de estética da brasileira Reny Ryan, que o pudor sai de cena. O modelo “landing strip”, ou, “pista de pouso”, caracterizado uma única faixa de pêlos próxima dos lábios, como todo o resto da área pubiana lisa, é o tipo de depilação mais pedido no local.

Confira formatos e cuidados com a depilação íntima

Outro sucesso é o “beyond brazilian”, na qual Reny retira todos os pelos da vagina e do ânus. Esta modalidade, inclusive, é a mais cara do cardápio – custa US$ 75. “Perto do Dia dos Namorados, os corações e as iniciais também fazem sucesso”, conta.

Para a depiladora, que desembarcou nos Estados Unidos há 28 anos em busca de melhores oportunidades, mulheres do mundo inteiro estão se aventurando ao estilo brasileiro de depilar as partes íntimas. “Sem dúvida alguma aumenta não só a autoestima, como também o estímulo sexual de qualquer um.  O 'brazilian wax' serviu para que a mulher prestasse mais atenção nessa parte tão importante do corpo feminino”, observa, e completa: "uma vez que a área púbica está lisinha você se sente mais poderosa, mais sensual, daí a razão pela qual quem faz uma vez fica dependente”. 

Na hora de quebrar o gelo e fazer com que as americanas se soltem, Reny costuma explicar o tratamento, contar histórias e falar sobre os modelos disponíveis. Mas certa vez ela teve que apelar e usar um cabo de vassoura entre os joelhos de uma cliente tímida. “Até hoje dou risada quando me lembro desse lance”, diverte-se.

E é com base no seu divertido dia a dia que lançou o livro Confessions of a Brazilian Bikini Waxer, trazido para o Brasil no ano passado, pela editora Matrix, com o título Confissões de Uma Depiladora Brasileira nos Estados Unidos. Ela acredita que o sucesso da publicação, também vendida em Portugal e na Inglaterra, a ajudou a dar visibilidade ao modo brasileiro de depilação, além de trazer novas clientes. “Está me levando a lugares nunca sonhados por mim, como a estreia do filme Na Estrada em Hollywood, onde pude abraçar as celebridades brasileiras e americanas e divulgar o meu livro”, conta.

Colecionando histórias
Reny afirma que a parte mais legal da sua profissão é conquistar a confiança do cliente, não só como depiladora, mas como confidente. “Não é qualquer um que pode dizer que se diverte, se realiza, faz amigos enquanto depila partes íntimas”, pontua. 

Com tantos anos de estrada, histórias não faltam no seu repertório de aventuras, suficiente para já estar pensando em um segundo livro. “Ontem mesmo atendi uma mulher de 58 anos que reencontrou um namorado de 40 anos atrás. Eles começaram a namorar e ela disse que a primeira coisa que pensou em fazer foi fazer o brazilian, pois tinha certeza que ele ficaria maluco”.

Entre os clientes mais inusitados está um senhor de 80 anos. “Morro de curiosidade de perguntar qual e a dele, mas ele é tão velhinho que sinto pena. Como profissional, me cabe apenas depilá-lo. Ele simplesmente adora e não reclama de nada, está sempre sorrindo”, conta.

Outra novidade observada pela especialista é a crescente adesão da ala masculina. Ela acredita que os homens estão lentamente se tornando adeptos desta rotina de beleza tipicamente feminina. Não à toa, uma das tendências que ela vem comprovando na própria clínica são os casais que vão juntos para se depilar. “Eles chegam de mãos dadas, oferecem apoio moral durante o tratamento com beijinhos e palavras carinhosas e saem felizes e contentes. Acho maravilhoso o fato que ambos decidiram enfrentar certa dose de dor e constrangimento para melhorarem e apimentarem suas vidas sexuais”, afirma.  

Amigas cobaias
Reny  chegou em San Francisco, na Califórnia, em 1984, quando tinha 31 anos. Ela afirma que na época os Estados Unidos ofereciam muitas possibilidades e, mãe solteira, foi buscar um futuro mais promissor para ela e para o filho, mesmo sem experiência profissional em depilação.

No Brasil, ela trabalhava como secretária e depilava somente as irmãs e amigas, que serviam como cobaia. “Eu não queria ser apenas uma simples depiladora, mas sim ‘a’ depiladora e ser capaz de me destacar na profissão”, explicou. Para, isso, cursou o Paris Beauty College, na cidade de Concord, na Califórnia.  

Depois de tentar vários tipos de cera, ela optou pelo paninho com cera de azuleno que, segundo explica, é a mais apropriada para pele sensível. “Remove o pelo pela raiz e não deixa resíduo”, observa. Semanalmente, Reny atende uma média de 25 a 30 clientes por semana. Ainda não atendeu nenhuma celebridade, mas é muito procurada pela mulher do prefeito local e por mulheres de jogadores de futebol americano.

Segundo ela, o sucesso profissional é fruto do profissionalismo e do jeito carinhoso com o qual trata as clientes. Além isso, ela explica que os brasileiros são admirados nos Estados Unidos pela alegria de viver, e é grata por uma característica local que também contribuiu neste sentido. “Os americanos realmente valorizam qualquer profissão, por mais humilde que ela seja”, finaliza.  

Terra