Para Sua Pele

publicidade
28 de junho de 2011 • 10h08

Depilação íntima: saiba o que pode e o que é proibido

A mulher pode depilar completamente a região íntima
Foto: Getty Images
Michelle Achkar

As brasileiras são conhecidas mundialmente pelos hábitos com a depilação, já que devido ao clima tropical e praias, as virilhas estão sempre livres de pelos. Essa imagem é tão forte que a expressão Brazilian Wax (depilação brasileira) é usada em diversos países para indicar a depilação completa da região íntima.

No começo de 2009, na cidade americana de Nova Jérsei (EUA), o método foi proibido após duas mulheres serem hospitalizadas com infecções decorrentes do procedimento. Mas a determinação não foi mantida, devido a protestos de clínicas e salões de beleza, mostrando que as mulheres preferem mesmo a região limpa e lisa.

Arrancar os pelos é seguro desde que sejam respeitadas as características da pele, normas de higiene e a região seja tratada antes e depois.

Saiba quais benefícios e cuidados são necessários para depilar a região íntima com diferentes tipos de métodos, com informações da dermatologista Eliandre Costa Palermo, diretora da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD), da ginecologista Rosa Maria Neme e de Cristiane Custódio, gerente Técnica e Qualidade da Skinmax.

1) A mulher pode depilar completamente a região íntima.

2) A remoção de pelos não aumenta a chance de infecções genitais, desde que a higiene local seja adequada. "Para isso é recomendado o uso de sabonetes íntimos que mantêm o pH da região vaginal estável e aumenta os lactobacilos vaginais responsáveis pela defesa desse local", afirmou a ginecologista Rosa Maria Neme.

3) Os cuidados são os mesmo numa região pouco ou muito depilada: higiene local com o uso de sabonetes íntimos no banho, evitar o uso de absorventes diários (pois aumentam a umidade e calor local predispondo a infecções vaginais), usar calcinhas com forro de algodão que diminuem o calor vaginal local e dormir, de preferência, sem calcinha.

4) A depilação pode ser feita com o uso de cera, lâmina, creme, aparelhos ou a laser.

5) O método deve ser escolhido com muito cuidado, respeitando as características da pele para não prejudicá-la, causar irritações ou encravar os pelos. "Entender qual o melhor processo e forma de cuidar da pele na hora de remover temporária ou definitivamente os pelos é o primeiro passo para evitar contratempos", disse Eliandre Costa Palermo.

6) Pelos grossos, encravados e pele desidratada são problemas comuns em mulheres que se depilam com frequência.

7) O método adequado deve ser indicado por um médico dermatologista e leva em consideração área a ser depilada, textura da pele, fototipo (cor da pele e sensibilidade) entre outras características.

8) Pode haver transmissão de doenças se as medidas de higiene do local não estiverem sendo cumpridas. Nos procedimentos de depilação, as ceras, de maneira nenhuma, podem ser reaproveitadas, podendo ser um veículo de contaminação da pele e folículo pilossebáceo.

9) Normalmente as infecções mais comuns são as bacterianas por contaminação local na hora da depilação. Infecção por um protozoário chamado tricomonas vaginalis pode acontecer, o que pode causar corrimentos.

10) Depilação com cera é um dos métodos de remoção por tração. Os pelos voltam a crescer após 20 ou 30 dias e os problemas mais comuns acontecem nessa fase, quando podem aparecer irritação ou foliculite, inflamação na saída do pelo, e os chamados pelos encravados.

11) Pelos encravados são os fios que nascem encurvados e penetram de novo na pele, devido ao espessamento da região. Com a depilação a cera, eles são mais frequentes, pois a pele teve a sua camada de queratina removida há mais tempo (durante a remoção dos pelos) e o novo fio encontra como barreira a nova camada de queratina, que provoca o entupimento e impede sua eclosão.

12) A esfoliação semanal é indicada para afinar a camada de queratina e ajudar a saída do pelo. Buchas, cremes esfoliantes ou escovas podem ser usadas, além de cremes manipulados com ácidos, que ajudam a afinar a pele.

13) Pelos encravados não devem ser manipulados, pois podem inflamar a pele ao redor. O ideal é afinar a pele para permitir a saída do fio.

14) Já a lâmina é um método de corte considerado bom para mulheres que têm pelos finos e claros. Ao contrário das ceras, é uma depilação indolor e seu tempo de crescimento é de dois a três dias. Dependendo da área depilada, a lâmina não aumenta e nem diminui os pelos que, apenas quando tocados, aparentam estar mais grossos, pois as pontas estão em crescimento. "É importante tomar cuidado, pois além de levar consigo os pelos, a lâmina remove também as células superficiais da pele e sua camada de lipoproteína, e também causa foliculite", disse a dermatologista Eliandre.

15) Os aparelhos depiladores podem retirar o pelo por meio do corte ou da tração. O primeiro é indicado para pelos finos e claros, e tem durabilidade de dois a três dias. O depilador elétrico de tração é um processo mais doloroso, mas tem a vantagem de demorar, em média um mês, para o crescimento dos pelos, assim como as ceras.

16) Já a depilação a laser oferece resultados mais duradouros e até permanente, após algumas sessões. Este método utiliza equipamentos de laser e luz pulsada, que atingem a raiz dos pelos e, por meio do calor, causam lesão definitiva nos folículos pilosos.

17) A mulher pode depilar toda a região íntima com o método, e o limite é até os pequenos lábios, segundo Cristiane Custódio gerente Técnica e Qualidade da Skinmax.

18) Para garantir o resultado esperado e, principalmente, a saúde da pele e do paciente, deve ser feito sempre sob supervisão médica. "Os aparelhos utilizam níveis altos de energia, passíveis de provocar queimaduras irreversíveis ou cegueira, caso os raios atinjam os olhos acidentalmente. Por isso, os olhos do paciente e do médico devem ser protegidos com óculos especiais durante a sessão de depilação a laser", afirma Eliandre Palermo.

19) O ideal é fazer a depilação a laser com médicos dermatologistas ou pelo menos em clinicas com um dermatologista responsável presente na clinica.

20) Outro problema comum é a falta de resultado e até o agravamento do problema, principalmente na região da face, em caso de uso de equipamentos inadequados para o tipo de pele e de pelos do paciente.

21) Depilar a região interna das nádegas com laser é procedimento oferecido em muitas clínicas atualmente, mas o risco de queimadura aumenta muito nessa área e em outras mais escurecidas. É necessário fazer um teste prévio, em uma área pequena de 2 cm e avaliar o resultado. O tipo de equipamento precisa ser especial e esta avaliação deve ser feita por um médico dermatologista.

22) Bons equipamentos e bons profissionais custam mais caro. Sempre veja as referências do local e dos profissionais.

23) Antes da sessão de depilação a laser, a mulher deve raspar a região a ser depilada um ou dois dias antes. Não se pode também tomar sol nos 15 dias anteriores e posteriores a cada sessão. Também não é permitida a aplicação de cremes a base de ácidos uma semana antes do procedimento.

24) Para garantir o sucesso com qualquer método de depilação, a pele deve estar sempre bem tratada. "O ideal é manter a pele hidratada. Alguns dias antes da depilação é aconselhado massagear delicadamente a pele com um esfoliante suave. Assim, os pelos desencravam e fica mais fácil a remoção", disse a dermatologista Eliandre.

25) Após o procedimento, o ideal é aplicar produtos que acalmem e tonifiquem a pele, além de evitar exposição ao sol em seguida, para não provocar manchas, e não usar roupas apertadas para não causar irritações.

Ponto a Ponto Ideias